“É a mulher quem morre na espera de uma sms e ressuscita assim que ela chega. É a mulher que aperta o pé pra caber no sapato, a barriga pra caber no vestido, a bunda pra caber na calça. É a mulher quem sofre na hora de perder a virgindade e quando vai dar a luz. É ela quem enfrenta sete dias de menstruação, sendo a maioria acompanhados de cólica. É no peito dela que os bebês ganham o primeiro alimento. É a mulher que trabalha varrendo as ruas, limpando a casa dos outros, dirigindo caminhão, à frente de uma grande empresa ou cuidando da própria casa, sempre com o cabelo penteado, as unhas bem feitas e muito bem maquiada. É a mulher que cria as piores brigas do relacionamento, mas é a que na maioria das vezes dá um jeito de consertá-las. É ela que sempre tem uma solução pra um batom borrado, um machucado ou um coração quebrado. É ela quem tem as melhores histórias e as teorias sobre “de onde vem os bebês” e “o que é sexo”. É o beijo dela que faz milagre nos filhos e no marido. É o cheiro dela que fica impregnado na memória e na camisa. É a mulher que anda num salto 15 e ainda rebola, faz charme e se bobear até samba. É a mulher que sabe dar o nó na gravata, que sabe adoçar o café e tem a mão boa pra cozinhar. É a mulher que sorri com os olhos e engana com a boca, que controla a situação e que salva a sua vida ou a destrói. E ainda sai de fininho porque ela é o sexo frágil.”

lovucky